Marcha nacional pela Educação sign now

Apelamos a uma verdadeira campanha pública pela Marcha, com textos e comunicados dando conta do estado da Educação, utilizando Net, jornais locais,...

DECLARAÇÃO em defesa da "Marcha Nacional pela Educação"

Sempre que a Plataforma sindical dos Professores apelou a uma acção unida dos professores e educadores (quer sob a forma de greves, quer sob a forma de manifestações), a resposta, a nível de todas as escolas do nosso país, foi quase unânime.
A Resolução apresentada pela Plataforma sindical no final da manifestação de 8 de Novembro, que juntou 120 mil docentes em Lisboa, dá expressão às exigências que fazem a unidade dos professores e educadores:
- Suspensão do modelo do ME de Avaliação do Desempenho Docente (ADD) e da participação da Plataforma sindical dos Professores na Comissão de Acompanhamento dessa avaliação.
- Processo amplo de revisão do ECD (que garanta uma carreira única, sem fracturas e sem quotas de mérito), a retirada da prova de ingresso na profissão, estabelecimento de regras pedagogicamente relevantes para a organização dos horários dos professores, regras excepcionais para aposentação dos docentes (tendo em conta o desgaste físico e psicológico da profissão).
- Rejeição da nova legislação dos concursos.
- Correcção das irregularidades e ilegalidades cometidas na elaboração dos horários e pagamento do serviço extraordinário.
- Revisão da nova Lei de gestão das escolas, para que sejam garantidas as condições que viabilizem os princípios da autonomia, da participação e do funcionamento democrático das escolas.
- Anulação das medidas do Governo que visam limitar a organização e o exercício da actividade sindical.
Esta mesma Resolução contém um conjunto de acções para dar continuidade à nossa luta, nomeadamente uma Marcha Nacional pela Educação que envolva, para além dos professores, pessoal não docente das escolas, pais e encarregados de educação, bem como os que considerem indispensável uma profunda alteração no rumo da actual política educativa, para o que (os docentes participantes na manifestação) mandatam a Plataforma Sindical para desenvolver, desde já, os contactos necessários.
Apoiando-se na mobilização dos docentes, que levou a que mais de metade até à data não tenham entregado os Objectivos individuais para a ADD, 212 PCEs (18\% do total) tomaram a decisão, a 7 de Fevereiro, de pedir a suspensão do modelo de avaliação de desempenho, por ser injusto, destruir o ambiente de trabalho nas escolas e não ser sério. Além disso, têm a convicção de que este modelo não contribui para a melhoria do desempenho da escola pública naquela que é a sua finalidade: garantir a qualidade do ensino.
E agora? Perante uma luta tão forte quanto legítima, que passos é necessário dar para que ela possa chegar a bom termo?
É necessária a acção unida com todos os outros sectores dos trabalhadores e com as suas organizações, para defender a Escola Pública e as suas conquistas.
Professores e educadores dos concelhos de Oeiras e de Cascais reunidos a 11 de Fevereiro de 2009 consideram que um passo em frente na mobilização dos docentes portugueses exige uma luta unida com os trabalhadores dos outros sectores. É por isso que faz todo o sentido a Marcha Nacional pela Educação, proposta pela Plataforma Sindical e assumida na manifestação de 8 de Novembro. O que é necessário é que a Plataforma Sindical dos Professores se comprometa a concretizá-la, de acordo com o mandato que solicitou e recebeu.
Para tal, as direcções da Plataforma Sindical devem acordar com os dirigentes das duas Centrais sindicais (a CGTP e a UGT) a co-organização desta iniciativa, em conjunto com todas as comissões inter-escolas (já constituídas, ou a constituir, a nível local ou regional), condição indispensável para que a Marcha Nacional pela Educação possa permitir, de facto, a realização da unidade de todos os docentes com os restantes trabalhadores da Função Pública, bem como com os pais dos alunos e os encarregados de educação e os estudantes unidade que é fundamental para a defesa eficaz da Escola Pública.

Uma Marcha Nacional:
Pelo restabelecimento das equipas de Ensino Especial, integrando nas escolas professores especializados, psicólogos e terapeutas em número adequado às suas necessidades educativas;
Pela diminuição do número de alunos por turma (condição fundamental para a melhoria do processo de ensino/aprendizagem);
Pela colocação nas escolas de auxiliares de acção educativa, em número considerado necessário para o bom funcionamento das mesmas, com contratos por tempo indeterminado, bem como com horários e salários dignos;
Pelo reforço do conteúdo científico das disciplinas curriculares;
Pelo direito dos pais a terem um horário de trabalho devidamente regulamentado, de modo a poderem dispor do tempo necessário ao acompanhamento dos seus filhos;
Por Actividades de Tempos Livres asseguradas por técnicos qualificados, vinculados ao ME e sob o controlo das escolas;
Por um clima geral de serenidade e o restabelecimento da gestão democrática nas escolas, condição imprescindível para um eficaz desenvolvimento e participação activa no processo educativo nacional;
Contra a asfixia financeira do Ensino Superior e a sua privatização;
Por uma Escola Pública de qualidade, capaz de formar e qualificar todos os alunos, de acordo com os princípios consignados na Constituição da República e transpostos para a Lei de Bases do Sistema Educativo.

Primeiros subscritores: Amália Madeira Martins (Sec. Matias Aires Cacém); Carmelinda Pereira (Aposentada, CDEP Comissão de Defesa da Escola Pública); Isabel Pires (Dirigente do SPGL - FENPROF); Joaquim Pagarete (Aposentado, CDEP); Ludovina Azevedo (EB2,3 de São Julião da Barra - Oeiras); Manuel Baptista (Sec. Quinta do Marquês - Oeiras); Mª Helena Gomes (Sec. Linda-a-Velha); Mª Paula Montez (Encarregada de Educação, CDEP); Margarida Pagarete (Estudante, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação); Carlos Chagas (dirigente do SINDEP FENEI); Ana Paula Amaral / Graça Carvalho / Conceição Pimenta (Sec. dos Casquilhos Barreiro); Teodoro Vieira (Sec. da Moita); Miguel Dias (EB 2/3 da Alembrança Feijó); António Castro e Freitas (Agrup. de Sto. António Barreiro); João Medeiros / Higina Mouco (Sec. de Sto. André Barreiro); Sílvia Pilão (Agrup. vertical José Afonso - Alhos Vedros); Fátima Fontinha / Fernanda Cristóvão ( Sec. Augusto Cabrita Barreiro); Manuel Abraços (Agrup. Álvaro Velho Barreiro); José António Dias (Aposentado).

Sign The Petition

Sign with Facebook
OR

If you already have an account please sign in, otherwise register an account for free then sign the petition filling the fields below.
Email and the password will be your account data, you will be able to sign other petitions after logging in.

Privacy in the search engines? You can use a nickname:

Attention, the email address you supply must be valid in order to validate the signature, otherwise it will be deleted.

I confirm registration and I agree to Usage and Limitations of Services

I confirm that I have read the Privacy Policy

I agree to the Personal Data Processing

Shoutbox

Who signed this petition saw these petitions too:

Sign The Petition

Sign with Facebook
OR

If you already have an account please sign in

Comment

I confirm registration and I agree to Usage and Limitations of Services

I confirm that I have read the Privacy Policy

I agree to the Personal Data Processing

Goal reached !
100 / 100

Latest Signatures

  • 26 December 2015100. Maria Deftimadossantoscerqueiraa
    I support this petition
  • 15 December 201599. Fabiola L
    I support this petition
  • 23 October 201598. Maria Fredericadef
    I support this petition
  • 26 September 201597. Maria Deftimaribasdeo
    Que os Professores se unam agora, ou que se acobardem e se calem para sempre! Escola Braga
  • 15 August 201596. Octvia Q
    I support this petition
  • 12 August 201595. Lusa O
      Escola   E-mail  
  • 12 June 201594. Ana Mariamoutinhob
    I support this petition
  • 05 June 201593. Fernanda C
    Por favor não devemos abandonar a luta agora. NÃO ENTREGUEM OS OBJECTIVOS INDIVIDUAIS Escola Secundária Augusto Cabrita
  • 01 June 201592. Neuza Margaridaferreirab
    I support this petition
  • 06 May 201591. Jos Carlosmacielpiresdel
    I support this petition
  • 05 April 201590. Joo R
    I support this petition
  • 04 April 201589. Armando S
    I support this petition
  • 17 February 201588. Ftimapais Melendez
    I support this petition
  • 13 February 201587. Elvira R
    I support this petition
  • 07 February 201586. Joaquim Ferreiradeo
    Que os Professores se unam agora, ou que se acobardem e se calem para sempre! Escola Espanha
  • 21 January 201585. Paula S
      Escola ESJGF E-mail  
  • 12 January 201584. Jorge A
    I support this petition
  • 31 December 201483. Lus Marquesn
    I support this petition
  • 06 December 201482. Maria Emanuelmelodea
    I support this petition
  • 11 October 201481. Stella Mp
    profª Escola Agrupam/ Escs D. João II Caldas da Rainha
  • 17 June 201480. Joaquim F
    Contra uma Paixão que nunca deu em Casamento. PS para a Rua! Escola   E-mail  
  • 06 June 201479. Joo B
    I support this petition
  • 26 March 201478. Sameiro M
    I support this petition
  • 28 February 201477. Maria Paulaadriom
    Comissão de Defesa da Escola Pública (CDEP)
  • 23 February 201476. M Dorosrior
    I support this petition
  • 28 January 201475. Helena S
    I support this petition
  • 25 January 201474. Ferroadas Krause
    I support this petition

browse all the signatures

Information

Myrna FerrellBy:
SportIn:
Petition target:
Ministério da Educação

Tags

No tags

Share

Invite friends from your address book

Embed Codes

direct link

link for html

link for forum without title

link for forum with title

Widgets