Em defesa do DN! sign now

Diário de Notícias
Em defesa de um património com 144 anos

A história do Diário de Notícias não pode, nem deve, ser dissociada da história do País. Nos últimos 144 anos, o jornal fundado a 29 de Dezembro de 1864, por Thomaz Quintino Antunes e Eduardo Coelho, tem estado presente nos momentos mais históricos da sociedade portuguesa.
Em 1864, por exemplo, quando a maioria dos periódicos não escondia a sua veia de combate político, o Diário de Notícias apostou na sobriedade informativa e na prioridade factual. Sempre aliada à atracção de alguns dos nomes mais importantes da cultura nacional. Nestas páginas escreveram, entre outros, Ramalho Ortigão, Eça de Queirós, Pinheiro Chagas e José Saramago.
Ao longo dos anos, contra crises mundiais e nacionais, sobreviveu a tudo e a todos, ultrapassou o Antigo Regime, defendeu a liberdade e implantou-se como uma das maiores referências nacionais e internacionais na história do jornalismo. 144 anos a informar Portugal e a inaugurar novos géneros jornalísticos: o Editorial, a Grande Reportagem, as grandes entrevistas.
Momentos houve, porém, em que algumas forças pareceram querer aniquilar o DN, colocando em causa a sua subsistência. Com sucessivas vendas e privatizações, muitas vezes causadoras de enormes perturbações no seio de uma redacção que apenas tem procurado informar Portugal, sempre com o máximo de rigor.
Nunca, porém, a precariedade dessa sobrevivência foi tão notória como hoje, sendo tempo de todas as forças vivas da sociedade portuguesa reclamarem contra o definhamento da identidade de uma instituição centenária que sempre as representou.
Num difícil momento económico-financeiro, nacional e internacional, são cada vez mais nítidos os indícios de que o grupo Controlinveste está a usar a crise como pretexto para levar a cabo uma reestruturação, longamente pensada, e que conduzirá ao despedimento, sem qualquer tipo de critério explicável, de 122 trabalhadores, dos quais mais de 60 são jornalistas do Diário de Notícias, JN, 24 Horas e O Jogo.
E ainda com o maior processo de despedimento de trabalhadores de que há memória nas últimas décadas no sector da Comunicação Social a decorrer, projecta-se já a criação de diversas sinergias que irão destruir a identidade dos dois jornais centenários de que o grupo Controlinveste é proprietário: o JN e o Diário de Notícias.
Se o processo não for travado, os dois jornais, mesmo que mantenham cabeçalhos diferenciados, serão apenas suportes de conteúdos sem alma. A ideia não é nova e, com a concentração dos media e as alterações legislativas no Estatuto do Jornalista, feitas à medida dos interesses dos grupos económicos, está em pleno curso.
É agora prática corrente a figura do enviado notícias, jornalista de um dos dois títulos em serviço no estrangeiro e que vê a sua reportagem publicada, ipsis verbis, em ambos, ainda ontem concorrentes, mesmo que integrados no mesmo grupo.
Correm igualmente rumores sobre a ideia de criar, à custa do despedimento de fotojornalistas, uma agência fotográfica cujos membros integrantes trabalharão, indiscriminadamente, para os jornais Diário de Notícias, 24Horas e O Jogo, constituindo a primeira grande machadada nas matrizes identitárias das publicações. O JN entrará logo depois nesse esquema.
Num jornal que se pretende de referência e internacional, opta-se agora pela redução drástica das redacções do Porto e Coimbra e extingue-se a de Leiria, reforçando ainda mais a crença de que o Diário de Notícias é, apenas, um jornal de Lisboa.
O resto virá a seguir. Os jornais do Grupo Controlinveste passarão a ser, não importa se sob uma ou várias marcas, veículos de um pensamento único. Pensando apenas na optimização de recursos, descaracterizam-se redacções e nada impedirá que secções sejam extintas, uma vez que, nesta visão redutora, um só jornalista chegará para alimentar quantos jornais e páginas da Internet for necessário.
É pela identidade de cada meio de informação que os profissionais se batem, até porque é essa mesma identidade - editorial e de conteúdos que os levou a optar pelo jornal em que trabalham. E é ela também que permite a manutenção dos leitores do DN e a eventual conquista de outros. Caso contrário, o que é que leva um leitor a optar pela compra do DN?
De forma brusca e pouco pensada, caminha-se a passos bem largos para a total descaracterização de um jornal que marcou a agenda nacional, que incomodou governos e desassossegou sectores que se sempre se sentiram protegidos. Qualidade jornalística tal que levou mesmo a que, em 1983, a UNESCO considerasse o Diário de Notícias o jornal de referência de Portugal.
A 11 de Abril de 1975, no calor do pós-Revolução de Abril, o director Luís Barros e o futuro Nobel da Literatura José Saramago alertavam o País: "O DN é importante de mais para que os seus trabalhadores aceitem vê-lo transformar-se em feudo de alguém. Esta Casa precisa de todos e será obra de todos". É pois chegado o momento de não apenas os trabalhadores desta casa, mas a própria sociedade portuguesa sair em defesa de um jornal que não pode perder a sua identidade.

Sign The Petition

Sign with Facebook
OR

If you already have an account please sign in, otherwise register an account for free then sign the petition filling the fields below.
Email and the password will be your account data, you will be able to sign other petitions after logging in.

Privacy in the search engines? You can use a nickname:

Attention, the email address you supply must be valid in order to validate the signature, otherwise it will be deleted.

I confirm registration and I agree to Usage and Limitations of Services

I confirm that I have read the Privacy Policy

I agree to the Personal Data Processing

Shoutbox

Who signed this petition saw these petitions too:

Sign The Petition

Sign with Facebook
OR

If you already have an account please sign in

Comment

I confirm registration and I agree to Usage and Limitations of Services

I confirm that I have read the Privacy Policy

I agree to the Personal Data Processing

Goal reached !
1000 / 1000

Latest Signatures

  • 27 February 20161000. Paula A
    I support this petition
  • 17 February 2016999. Gina M
    I support this petition
  • 15 February 2016998. Ana Garrett
    I support this petition
  • 15 February 2016997. Joao S
    I support this petition
  • 13 February 2016996. Mrio Brandaor
    I support this petition
  • 11 February 2016995. Joo M
    I support this petition
  • 05 February 2016994. Ana M
    I support this petition
  • 31 January 2016993. Andreia Flixc
    I support this petition
  • 31 January 2016992. Filipe V
    I support this petition
  • 28 January 2016991. Lusa A
    I support this petition
  • 20 January 2016990. Antnio S
    I support this petition
  • 17 January 2016989. Maria Joog
    I support this petition
  • 12 January 2016988. Rute Stanton
    I support this petition
  • 09 January 2016987. Helena M
    I support this petition
  • 05 January 2016986. Anabela L
    I support this petition
  • 02 January 2016985. Snia B
    I support this petition
  • 31 December 2015984. Fernanda B
    I support this petition
  • 26 December 2015983. Vernica Compton
    I support this petition
  • 26 December 2015982. Wwwreifazdecontacom Barry
    I support this petition
  • 26 December 2015981. Ana S
    I support this petition
  • 25 December 2015980. Xana C
    I support this petition
  • 23 December 2015979. Eurico Deb
    I support this petition
  • 23 December 2015978. Isaltina P
    I support this petition
  • 18 December 2015977. Hugo L
    I support this petition
  • 14 December 2015976. Vanessa C
    I support this petition
  • 14 December 2015975. Ana Marianunesmartinssalvadorn
    I support this petition
  • 13 December 2015974. Anabela V
    I support this petition

browse all the signatures

Information

Kristine FloydBy:
SportIn:
Petition target:
Sociedade Portuguesa

Tags

No tags

Share

Invite friends from your address book

Embed Codes

direct link

link for html

link for forum without title

link for forum with title

Widgets