Carta Aberta à população sobre a situação dos moradores de Rua de Brasília sign now

CARTA ABERTA À POPULAÇÃO

Brasília, outubro de 2009.

A população de rua e os catadores de materiais recicláveis da Região Administrativa 1 (RA1) do Distrito Federal (Brasília) e as pessoas e instituições abaixoassinadas, vem por meio desta carta de repúdio solicitar providências dos órgãos competentes, para que façam cessar, imediatamente, as práticas de abuso de poder e de autoridade contra esta população que subscreve.

O Plano Piloto da Capital Federal, desde a criação da cidade, abriga um grupo
social composto por trabalhadores que, por nunca terem sido prioridade das políticas públicas, vivem em situação de pobreza e de desamparo. Estes trabalhadores prestam um serviço essencial ao bom funcionamento da estrutura burocrática e administrativa de Brasília, coletando, separando e reciclando o lixo produzido nesta região. Todavia, devido ao histórico descaso do Governo do Distrito Federal (GDF) com as condições de vida e trabalho e com as necessidades deste segmento, para que a coleta de materiais
continue sendo realizada, estas pessoas precisam morar nos cerrados da RA1. Passando por cima das demandas deste grupo e oferecendo saídas paliativas e
pontuais que, se fossem aceitas pela população de rua e pelos catadores de Brasília, impediriam a continuidade do trabalho de cerca de 2.000 (duas mil) pessoas que vivem nesta situação, o GDF age, quase diariamente e há muitos anos, expulsando este grupo do seu local de sobrevivência e recolhendo/destruindo os instrumentos de trabalho(carroças, animais de tração, carrinhos de peito) e os materiais recicláveis arduamente
coletados.

Nos últimos anos, durante a gestão do Governador José Roberto Arruda, além da repressão sofrida por essas políticas exclusivamente higienistas, a população que habita os cerrados de Brasília vem sendo alvo de freqüentes e brutais violências físicas e psicológicas e recebendo ameaças justamente daqueles que deveriam protegê-la e auxiliá-la em sua condição: agentes do Governo do Distrito Federal.

Esta violência, praticada especialmente pela Subsecretaria responsável pela
erradicação de invasões e ocupações irregulares no Distrito Federal Subsecretaria de Defesa do Solo e da Água (SUDESA) , vem, há meses, aterrorizando esta população que, com medo de represálias, apenas agora reúne forças, sob todos os riscos, para tornar este caso público e exigir soluções imediatas dos órgãos competentes.

Entre as práticas violentas mais comuns e rotineiras podemos citar:
a. Confisco irregular, roubo e destruição de objetos pessoais (documentos, roupas, aparelhos eletrônicos, fogões improvisados, panelas, lençóis, colchões, fotografias, material escolar e alimentos, até mesmo de crianças pequenas);

b. Agressões físicas: disparos de armas de fogo na direção de adolescentes e
adultos que fugiam com medo de perder seus pertences, empurrões, tapas e
socos, inclusive contra crianças, pessoas com deficiência, estomizados, idosos e gestantes;

c. Agressões verbais, ofensas pessoais, terror psicológico e ameaças de morte, represálias e surras.

d. Retirada à força e encaminhamento a abrigos de crianças que vivem bem com
suas famílias, estudam e não trabalham, sob a ilegal alegação de que a simples condição de pobreza é motivo para a perda do pátrio poder.

Tais práticas demonstram a clara opção pelo atendimento da população pobre
por meio de um Estado Policial e suas ações coercivas, que não visam a concretização de direitos e a garantia da cidadania. Apesar de reconhecer a legitimidade da proibição do estabelecimento de grupos populacionais em áreas não destinadas à moradia, a população de rua e os catadores de materiais recicláveis de Brasília exigem que a abordagem do GDF representado pela SUDESA neste caso específico, mantenha-se dentro da legalidade e dos limites da atuação profissional. Ao utilizar-se de brutalidade, agressões e abusos de poder e de autoridade, o Governo perde sua força política e, na tentativa de manter acuada a população vítima, desperta revoltas e indignações.

Assim, por meio deste instrumento democrático, solicita-se que o Estado exerça o seu papel de garante de direitos e puna os agressores acima citados, afastando-os do contato com a população de rua e com os catadores de materiais recicláveis de Brasília; impeça futuras violências, de qualquer sorte, contra este grupo populacional e o proteja adotando medidas de cunho social de modo a viabilizar, com urgência, políticas que possam efetivamente oferecer condições básicas de satisfação de suas necessidades sociais.

Atenciosamente,

População de Rua de Brasília

Catadores de Materiais Recicláveis de Brasília

Sign The Petition

Sign with Facebook
OR

If you already have an account please sign in, otherwise register an account for free then sign the petition filling the fields below.
Email and the password will be your account data, you will be able to sign other petitions after logging in.

Privacy in the search engines? You can use a nickname:

Attention, the email address you supply must be valid in order to validate the signature, otherwise it will be deleted.

I confirm registration and I agree to Usage and Limitations of Services

I confirm that I have read the Privacy Policy

I agree to the Personal Data Processing

Shoutbox

Who signed this petition saw these petitions too:

Sign The Petition

Sign with Facebook
OR

If you already have an account please sign in

Comment

I confirm registration and I agree to Usage and Limitations of Services

I confirm that I have read the Privacy Policy

I agree to the Personal Data Processing

Goal
200 / 1000

Latest Signatures

browse all the signatures

Information

Francis WaltonBy:
ReligionIn:
Petition target:
Toda a População

Tags

No tags

Share

Invite friends from your address book

Embed Codes

direct link

link for html

link for forum without title

link for forum with title

Widgets